Pesquisadores da UnB desenvolvem forma aprimorada do álcool em gel

0
87

Na forma de nanopartículas, a prata tem suas propriedades aumentadas: comprovadamente, a substância destrói mais de 650 organismos patogênicos

 

Em tempos de pandemia, pesquisadores do mundo todo têm tentado encontrar soluções eficientes e ao mesmo tempo mais baratas para realizar a desinfecção de objetos e partes do corpo, como as mãos. O processo de desinfecção – que é de curta duração, podendo variar de alguns segundos até 30 minutos – tem como objetivo a destruição de todos os microrganismos, com exceção de esporos, sendo uma barreira eficiente contra vírus e bactérias.

 

O etanol na concentração 70% (usado na forma de álcool em gel também) é atualmente muito utilizado para a desinfecção. Porém, apesar de eficiente, o produto ainda tem algumas limitações. Pensando nisso, pesquisadores da UnB especialistas em nanotecnologia estão trabalhando na confecção de um álcool em gel de alta performance e de baixo custo, adicionando à substância nanopartículas de prata. Formado por dez integrantes, o projeto é encabeçado pela professora Maria Del Pilar Hidalgo Falla, do curso de Engenharia de Energia da Faculdade UnB Gama (FGA). O trabalho está sendo realizado no Laboratório de Nanotecnologia (LAB N-TEC) da FGA, que ganhou recentemente novas instalações.

 

A proposta foi uma das aprovadas em chamada pública para iniciativas com foco no enfrentamento da pandemia, promovida pelos decanatos de Pesquisa e Inovação (DPI) e de Extensão (DEX) e pelo Comitê de Pesquisa, Inovação e Extensão de combate à Covid-19 (Copei) da UnB. O trabalho foi um dos quatro projetos da UnB contemplados com recursos do Ministério Público do Trabalho (MPT), por meio de edital voltado ao combate à covid-19. Produção de Álcool em Gel com Nanopartículas de Prata vai receber cerca de R$ 16 mil para ser realizado durante seis meses.

Professora Maria DelPilar Hidalgo, da Engenharia de Energia da FGA, está a frente da pesquisa, realizada no Laboratório de Nanotecnologia (LABN-TEC). Foto: Yoshio Freire Kataoka

 

POTENTE – A prata, tanto na forma metálica como iônica, possui ação antimicrobiana bastante conhecida. A substância já é usada, por exemplo, em curativos para tratar ferimentos de pessoas com diabetes, que têm normalmente dificuldades de cicatrização. Porém, não existe álcool em gel com nanopartículas de prata. O produto será portanto inédito.

Quando está na forma de nanopartículas, a prata tem uma superfície de contato ainda maior e suas propriedades são aumentadas. Para se ter uma ideia, já foi comprovado que a substância destrói mais de 650 organismos patogênicos. Segundo a professora Pilar, o etanol (ou álcool em gel) na concentração 70% é bastante potente, mas apresenta alguns problemas que seriam solucionados com o acréscimo da nanopartícula de prata sintetizada em laboratório.

 

“O álcool evapora fácil e, com isso, vai perdendo o seu efeito com o passar do tempo. A outra questão é que, ao potencializar o efeito bactericida com a nanopartícula de prata, dá para diminuir a concentração do etanol do produto. Assim, a concentração do álcool não precisaria ser 70%, poderia ser talvez 50%. E, por fim, o álcool em gel irrita um pouco a pele, e a prata poderia amenizar um pouco isso”, explica a pesquisadora, que recebeu, em 2018, em Cingapura, a Scientist Medal of the Year, medalha de cientista do ano pela International Association of Advanced Materials (IAAM), por seu trabalho na área de Materiais Avançados e Tecnologia. Além disso, segundo ela, é muito viável fazer o álcool em gel e também sintetizar a nanopartícula de prata em laboratório, tudo isso sem um alto custo de produção.

 

Diego Cardoso de Souza, ex-aluno do curso de Engenharia de Energia, integrante do grupo e um dos idealizadores do projeto reforça que a prata por si só é bactericida. “O álcool em gel 70% já é eficiente, sua eficácia chega a 98%. Queremos que o nosso álcool em gel seja 100% eficiente. Nosso objetivo é fazer um produto que seja mais eficiente do que o que já é vendido no mercado nacional e ainda por cima de baixo custo”, acrescenta o pesquisador, que é também estudante de Física da UnB.

Equipe é composta por dez integrantes de diferentes áreas da nanotecnologia. Foto: Yoshio Freire Kataoka

 

TESTES – Até agora, o grupo já fez a preparação e a caracterização das nanopartículas de prata no laboratório de nanotecnologia na FGA. Já fabricou o álcool e dispersou (misturaram) as nanopartículas. O próximo passo é realizar testes de ensaio bactericida, conduzidos por pesquisadores da Biologia, para ajustar e verificar o poder de desinfecção do produto.

 

Uma vez produzido o álcool em gel com nanopartículas de prata, a equipe irá distribuir kits com o produto em escolas públicas das regiões administrativa do Gama e de Santa Maria. Além disso, o projeto prevê oficinas para os estudantes, com o intuito de difundir o processo de fabricação do álcool em gel nas escolas, demonstrando na prática a teoria vista em aulas de Química e Ciência, como, por exemplo, oxidação, redução e o funcionamento de comunidade de bactérias. “O objetivo do trabalho é também mostrar para os estudantes do ensino médio os conceitos de química que eles aprendem em sala de aula. Vamos dar uma aula laboratorial, ensinando todo o processo da produção do álcool”, explica Diego.

Fonte: Universidade de Brasília