Trabalho de unespiana apresenta novo dispositivo biossensor

O aparelho é altamente sensível e específico para a detecção e quantificação confiável de espécies químicas e biológicas.

0
131

 30/06/2020 por: CDMF

Apesquisadora Glenda Biasotto, pós-doutoranda do Instituto de Química da Unesp (IQ-Unesp), localizado no câmpus de Araraquara e integrante do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), é a autora principal do artigo “Graphenic Aerogels Decorated with Ag Nanoparticles as 3D SERS Substrates for Biosensing”, recentemente publicado na revista científica Particle & Particle Systems Characterization.

O artigo relata, centralmente, o desenvolvimento de um novo dispositivo biossensor. Segundo a pesquisadora, foi criado um substrato Raman (SERS), versátil e eficiente, à base de um aerogel composto de óxido de grafeno reduzido (rGO) decorado com nanopartículas de prata (AgNPs), altamente sensível e específico para a detecção e quantificação confiável de espécies químicas e biológicas.

Biasotto explica que o óxido de grafeno pode ser reduzido e suas propriedades condutoras restauradas através do tratamento térmico, hidrotérmico ou da redução química, usando reagentes como ácido L-ascórbico, bissulfito de sódio (NaHSO3), boro-hidreto de sódio e hidrazina.

“Neste trabalho, a obtenção das nanoestruturas 3D rGO / AgNPs, foram realizadas por meio da síntese hidrotérmica, partindo do óxido de grafeno (GO) comercial. Após a síntese hidrotermal, o material foi liofilizado, ou seja, passou pelo processo de desidratação sob vácuo com auxílio do liofilizador, para garantir a estrutura 3D, assim, o aerogel obtido foi integrado ao dispositivo de PDMS (polidimetilsiloxano)”, explica.

De acordo com a pesquisadora, o trabalho desenvolvido é de grande impacto nesse campo de estudo por se tratar de um novo aparato biossensor, versátil e de baixo custo. “A plataforma mostrou alta sensibilidade frente aos testes realizados, com promissores resultados para utilização na atual pandemia. Portanto, os próximos passos da pesquisa serão focados na aplicação do dispositivo para testes de diagnóstico rápido da Covid-19”, revela Glenda Biasotto.

Publicado em parceria com a Universidade Politécnica de Torino, na Itália, o artigo também conta com a colaboração dos pesquisadores Alessandro Chiadò, Chiara Novara, Marco Fontana, Marco Armandi, Maria Aparecida Zaghete, Fabrizio Giorgis e Paola Rivolo.

O artigo está disponível AQUI.

CDMF
O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e recebe também investimento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a partir do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).

Fonte: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”