O sabonete é capaz de matar ou expulsar o novo coronavírus da pele?

0
172

Em entrevista, o pesquisador da USP, Luiz Gustavo de Almeida, explica como o sabão age no corpo humano e também dá a dica de como explicar para as crianças a ação do produto nas mãos contra o coronavírus.

A higiene das mãos é uma das estratégias mais importantes para a prevenção do novo coronavírus. Mas, ainda há pessoas que não sabem qual produto escolher como preventivo ao vírus:  álcool líquido, álcool gel ou água com sabão. Já quem tem crianças em casa também relata o desafio de convencê-las a lavar as mãos adequadamente.

Em meio à pandemia, o álcool líquido e gel sumiram das prateleiras dos supermercados e farmácias. Por causa dessa situação, surgiram dúvidas das pessoas de como substituir esse produto como medida de prevenção contra o coronavírus e, de maneira perigosa, há pessoas que passaram a utilizar o álcool combustível, adquirido em postos de gasolina.

O álcool gel é o mais indicado para higienizar as mãos, enquanto o álcool líquido é mais adequado para a limpeza de superfícies. No entanto, é muito importante saber que o álcool (gel e líquido) em concentração inferior a 70% não funciona para desinfecção e acima de 90% pode provocar irritações na pele. Por isso que no momento da compra, é preciso escolher um produto que contenha concentração de 70%.

Independentemente da concentração, deve-se ter muito cuidado no manuseio do álcool. Para evitar problemas como incêndios, queimaduras ou acidentes, o produto precisa ser mantido longe do alcance das crianças, do fogo e de outras fontes de calor.

Mas, não se desespere caso você não tenha encontrado esse produto no supermercado ou farmácia. Apesar da eficácia, a recomendação é que o álcool gel seja usado apenas quando as mãos não têm sujeiras aparentes e nos momentos em que não há acesso à água e ao sabonete. A mensagem da Organização Mundial da Saúde (OMS) é clara: a lavagem com água e sabão deve ser prioridade, além de ser a opção mais simples, viável e barata.

Assim como explica o biólogo Luiz Gustavo de Almeida, que é Doutor em Microbiologia pela Universidade de São Paulo, o uso de água e sabão é muito eficiente no combate ao coronavírus.

BR Ciência: Circula nas redes sociais a dúvida sobre qual sabonete deve ser usado no combate ao coronavírus e se os bactericidas teriam melhor eficácia. As pessoas devem priorizar algum tipo de produto específico?   

Todos os sabonetes e detergentes são capazes de matar diversos vírus e bactérias. O que não é correto afirmar é que apenas os sabonetes ditos bactericidas são capazes de fazer isso. Uma das substâncias utilizadas nesses sabonetes é o Triclocarban, que teria a função de matar os microrganismos. Até o momento não existe nenhuma evidência científica que essa substância mate a bactéria. Quem faz o trabalho sujo é o sabão!

BR Ciência: Nas redes sociais, circulam vídeos que mostram uma forma criativa de explicar para as crianças o modo como o sabonete “expulsa” o vírus da pele. Assim como mostram esses vídeos, o vírus realmente foge da presença do sabão?

O sabonete não “expulsa” os vírus de perto de você. O vídeo é importante para começar a conversa sobre como o sabão age na água, mas o mecanismo de ação contra os vírus teria que ser feito de outra maneira.

BR Ciência: Qual seria a forma mais correta e didática para explicar o porquê de o sabão ser tão eficaz na prevenção aos vírus?

Vamos focar no vírus por conta da pandemia do coronavírus, mas o mecanismo de ação do sabão é bem similar também em bactérias.

Imagine uma bolinha de tênis. Ela tem “pelinhos” amarelos por fora e borracha por dentro. Muitos vírus tem o mesmo formato dessa bolinha. A diferença é que, no lugar dos pelinhos amarelos, os vírus têm proteínas e lipídios (um tipo de gordura) que ficam grudados uns aos outros. Essas proteínas, que estão do lado de fora do vírus, são extremamente importantes para que ele consiga penetrar nas nossas células.

O sabão é capaz de remover essa camada de gordura da superfície do vírus e, consequentemente, levar junto as proteínas que estão grudadas a ela. Sem essas proteínas, os vírus ficam do lado de fora das células e não conseguem se replicar para produzirem mais vírus. Por isso a importância de lavar muito bem as mãos, assim você tira a capacidade dele de nos infectar.

Texto por Marcela Riccomi Nunes