Teste rápido de leptospirose é lançado na Fiocruz Bahia

0
102

O Ministério da Saúde e a Fiocruz Bahia lançaram, no dia 13/2, o teste rápido para diagnóstico de leptospirose. O kit diagnóstico foi desenvolvido por pesquisadores da Fiocruz Bahia a partir da parceria com Bio-Maguinhos, unidade produtora de imunobiológicos da Fiocruz nacional.

O teste identifica, em sangue total, soro ou plasma, anticorpos para a leptospirose, apresentando resultado em até 20 minutos. O kit será executado em ambiente hospitalar, para auxiliar e dar oportunidade ao tratamento específico da doença.

Um projeto para avaliar a implantação do teste deverá contar com participantes de todas as regiões do país. Além de Salvador (BA), cidades da região Sudeste foram sugeridas para iniciar o projeto devido às chuvas acentuadas que vem atingindo Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, pois as inundações favorecem a ocorrência de casos de leptospirose.

O desenvolvimento do kit diagnóstico foi liderado pelo pesquisador da Fiocruz Bahia, Mitermayer Galvão dos Reis, junto com o professor da Universidade de Yale (EUA) e pesquisador externo da instituição, Albert Ko. No lançamento, Mitermayer Reis apresentou como foi realizada a pesquisa até a materialização do produto. “Isso é resultado de um esforço coletivo. Agradeço a todos os parceiros”, comemorou.

Na abertura do evento, André Luiz de Abreu, coordenador Geral de Laboratórios de Saúde Pública – CGLAB, da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde (MS), ressaltou a importância de poder disponibilizar para a população um produto desenvolvido numa instituição pública de referência. “Isso é mostrar que nosso país tem capacidade produtiva, de desenvolvimento e de atender a sua população, com tecnologia e confiança”, afirmou.

O diretor do Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis (SVS/MS), Julio Croda, agradeceu ao Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e ao secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, pelas escolhas mais técnicas em investimento e execução orçamentaria para as ações que possam gerar impacto na saúde da população brasileira. “Esse é um momento de retorno para sociedade, principalmente no sentido de todo investimento que é feito em tecnologia e inovação, sendo um produto eminentemente nacional. Iremos disponibilizar esse kit em um momento importante de enchentes em São Paulo e Minas Gerais, porque o tratamento faz diferença, evita a progressão da leptospirose e diferenciá-la de outras doenças febris é fundamental”, declarou.

O coordenador de Vigilância em Saúde e Laboratórios de Referência da Fiocruz, Rivaldo Venâncio, felicitou os pesquisadores do projeto que começou há, aproximadamente, 20 anos. “Essa é uma conquista do SUS. Parabenizo todos que trabalharam nesse projeto que é uma construção de vida. Quando a gente olha, desde as primeiras ideias até chegar a um produto como esse, tem muitas horas no laboratório, tem muito trabalho”, pontuou.

Marilda Gonçalves, diretora da Fiocruz Bahia, destacou que a leptospirose é um problema grave de saúde pública e falou sobre a dificuldade de se fazer o diagnóstico diferencial para que o tratamento seja instituído de maneira rápida. “É uma honra fazer o lançamento aqui, na Fiocruz Bahia. Parabenizo a todos os pesquisadores envolvidos, é uma satisfação participar desse momento e ver a concretização desse trabalho”, comentou.

Maurício Zuma, diretor de Bio-Manguinhos, observou que esse trabalho é um exemplo de como fazer inovação. “O desenvolvimento desse kit trouxe uma geração de pesquisadores que soube transformar o conhecimento em algo prático, o que é complexo de se fazer. Bio-Manguinhos está totalmente preparada para fazer a produção do kit, que será muito importante para a vigilância epidemiológica”. Também esteve presente ao evento Antônio Ferreira, coordenador do Programa de Desenvolvimento Tecnológico de Reativos para Diagnóstico de Bio-Manguinhos.

Doença e diagnóstico

A leptospirose é uma doença causada por bactérias do gênero Leptospira spp.. Endêmica no Brasil, a enfermidade está relacionada às precárias condições de infraestrutura sanitária. Durante os períodos de chuvas e enchentes, a bactéria expelida através da urina dos ratos, presente nos esgotos e bueiros, mistura-se à inundação e penetra no corpo através da pele, principalmente por ferimentos, mas também com a pele íntegra, se imersa por longos períodos.

Comumente confundida com outras doenças febris, como dengue, a leptospirose é caracterizada por sintomas como dores de cabeça e no corpo, podendo manifestar vômito, diarreia e tosse. Na fase tardia da doença, ocorrem manifestações mais graves como pele e olhos amarelados, sangramento e alterações urinárias. A letalidade chega a cerca de 10%.

Os testes diagnósticos para leptospirose têm alto custo, sendo necessário juntar uma quantidade de amostras de pacientes com suspeita da doença para que seja realizado, levando dias e até semanas para apresentar o resultado. O novo kit é de fácil uso para diagnóstico em campo ou laboratório, com a vantagem de ser uma opção portátil, rápida e de aplicação individual.

Fonte: Fundação Oswaldo Cruz