Pesquisadoras da UFPA organizam manuais com informações sobre estomia

Desde 2004, a estomia é considerada, no Brasil, uma deficiência física, conforme o Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004

0
213

manual estomia

Você sabe o que é estomia? Trata-se de um procedimento cirúrgico, realizado em milhares de pessoas todos os anos, por conta de doenças ou traumas para possibilitar a manutenção das funções fisiológicas. No Pará, existem aproximadamente 1700 pessoas com estomia cadastradas no único Serviço de Referência do Estado, e, para ajudar e auxiliar essas pessoas no seu cuidado com a saúde, pesquisadoras da Universidade Federal do Pará (UFPA) organizaram manuais para informação àqueles que passaram por esse procedimento na Região Amazônica.

O primeiro deles, o “Manual de orientação à pessoa com estomia na Região Amazônica”, visa informar aspectos importantes do cotidiano após a cirurgia, com foco na cultura regional, como orientações relacionadas com banhos de igarapé utilizando-se equipamento coletor, e contém também a Declaração dos Direitos da Pessoa com Estomia. O manual foi organizado pelas professoras Regina Ribeiro Cunha, da Faculdade de Enfermagem (FAENF/UFPA), Vanessa Lourenço-Costa, da Faculdade de Nutrição (FANUT/UFPA), e por Rafaelle Rabello, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais (PPGARTES/UFPA)

O segundo, intitulado “Alimentação amazônica: guia para pessoas com estomia” e organizado pelas professoras Regina Ribeiro Cunha e Vanessa Lourenço-Costa, com Kellyne Barros, ex-bolsista da Pró-Reitoria de Extensão (Proex/UFPA), apresenta os principais alimentos que podem ser consumidos após a cirurgia, considerando o cenário amazônico, com variedade regional de peixes, legumes, frutas e comidas regionais, além de conter sugestões de cardápios e preparos.

“Os dois manuais estão em processo de impressão e deverão ser distribuídos gratuitamente às pessoas com estomia cadastradas no Serviço de Referência Estadual, na Associação dos Ostomizados do Pará e ainda utilizados como referências ao processo de formação no ensino de graduação e de pós-graduação no curso de Enfermagem e em áreas afins”, afirma a professora Regina Ribeiro. Segundo ela, os manuais são tecnologias educativas relevantes, que poderão contribuir para o processo de reabilitação de pessoas com estomia, na Região Amazônica.

“Vale destacar que esses manuais constituem produtos do Projeto de Extensão “Rede Dialógica de Pessoas com Estomia”, desenvolvido por meio de encontros mensais com pessoas com estomia e seus familiares, cadastrados no Serviço de Atenção à Pessoa com Estomia, da Unidade de Referência Especializada (URE), vinculada à Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sespa/SUS-PA), por meio das atividades de pesquisa com o Projeto “Perfil de Estomizados no Contexto Amazônico” (Pesca), vinculada ao Grupo de ensino, pesquisa e extensão em Estomaterapia da Amazônia (Enfesta). A Associação Brasileira de Estomaterapia (Sobest) também foi parceira ao realizar a diagramação e revisão das produções”, conta.

Os dois projetos foram subsidiados pela Proex (UFPA), pelas Pró-Reitorias de Pesquisa e Pós-Graduação da UFPA e da UEPA, pela Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), além de patrocinados pela Sobest.

Estomia no Brasil – Desde 2004, a estomia é considerada, no Brasil, uma deficiência física, conforme o Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Já em 2009, foi instituída a Portaria 400, que trata da atenção especializada e da distribuição de equipamentos coletores em diversos níveis de complexidade dos SUS a todas as pessoas com estomia no país.

Texto: Rafael Miyake – Assessoria de Comunicação da UFPA
Foto: Reprodução do Manual

Fonte: Universidade Federal do Pará