UFRPE desenvolve dispositivo tecnológico que promove a sustentabilidade da pesca do camarão

0
275

Sob a coordenação técnica da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), o projeto “Manejo Sustentável da Fauna Acompanhante da Pesca de Arrasto na América Latina e Caribe (REBYC II – LAC), visa promover a sustentabilidade da pesca de camarões na América Latina e no Caribe, incluindo a redução de desperdícios, assim como, o desenvolvimento de tecnologias e ações de gestão para mitigar o impacto da atividade, a partir da construção de propostas de gestão baseadas na Abordagem Ecossistêmica na Gestão Pesqueira (AEGP). O projeto é resultado da iniciativa conjunta da Organização das Nações Unidas para a Alimentação (FAO) e do Fundo Mundial para o Meio Ambiente- (Global Environment Facility- GEF), conduzido a nível nacional pela Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SAP/MAPA)

Um dos principais objetivos do Projeto REBYC II- LAC é a redução da fauna acompanhante na pesca de arrasto de camarão, através do desenvolvimento de dispositivos de exclusão dessa fauna. Dessa forma, sob a coordenação do Prof. Vanildo Souza de Oliveira, na região Nordeste e com o apoio do Laboratório de Pesca Sustentável – LACAPE, do Departamento de Pesca e Aquicultura – DEPAq/ UFRPE, o referido projeto vem desenvolvendo novas tecnologias, com um dispositivo de exclusão denominado de “Janela de Exclusão”, que quando colocada antes do saco da rede de arrasto permite a saída dos peixes, retendo, porém, os camarões.

Essa tecnologia despertou o interessa do ICMBIO de Parnaíba- PI, onde existe uma importante atividade de arrasto, com isso, os testes iniciais realizados apresentaram ótimos resultados com relação à redução da fauna acompanhante. Ainda em setembro, serão testados outros dispositivos de exclusão de peixes e tartarugas à convite da coordenação do projeto TAMAR,  projeto conservacionista brasileiro, que revolucionou a luta pela preservação de espécies ameaçadas de extinção, em especial as tartarugas marinhas, no município de Pirambu, litoral sergipano.

Fonte: Universidade Federal Rural de Pernambuco