Estudo da UFT avalia sociologia no ensino de Portugal e Brasil

0
91
Por Gabriela Melo (PPGCom) | Revisão: Samuel Lima | Publicado: Segunda, 01 de Julho de 2019, 09h27 | Última atualização em Segunda, 01 de Julho de 2019, 09h27

Joselinda é mestra pela Universidade Federal doTocantins (Foto: Arquivo Pessoal)Joselinda é mestra pela Universidade Federal doTocantins (Foto: Arquivo Pessoal)

A pesquisa da mestra Joselinda Rodrigues pelo Programa de Pós Graduação em Comunicação e sociedade (PPGCom) da Universidade Federal do Tocantins (UFT) recebeu o título: “Ensino e formação em comunicação e jornalismo: um estudo sobre a disciplina sociologia da comunicação em cursos de jornalismo no Brasil e Portugal”.

Os objetivos foram examinar os projetos pedagógicos dos cursos de comunicação e jornalismo das universidades escolhidas para o estudo; pesquisar os programas da disciplina sociologia ministrada para verificar se o enfoque que é dado nos três campos das ciências sociais se devia a especificidades das próprias universidades e se sofriam interferências diretas (pressão de alunos) ou indiretas (sistema midiático) e verificar a metodologia de ensino de sociologia.

“A maneira de compreender a realidade levou a reflexões sobre a necessidade de mudanças no processo de formação nas universidades, uma vez que essas transformações produziram novos sentidos nas relações interpessoais e nas interações entre as pessoas e delas com o meio em que vivem; as quais precisavam ser consideradas como ponto de partida para as intervenções pedagógicas planejadas pelos professores para suas aulas”, destacou a pesquisadora.

Após estudar cinco universidades portuguesas e cinco universidades brasileiras, Rodrigues concluiu que o mercado exerce uma pressão indireta sobre os espaços formativos; o aluno tem pressa para graduar por questões econômicas, o que também explica a relação estabelecida com as disciplinas teóricas, pois, sob seu ponto de vista, elas retardam sua saída da universidade, dentre outras análises realizadas para contribuir com o repensar do ensino superior.

Fonte: Universidade Federal do Tocantins