Aluno da EEP desenvolve prótese de antebraço acionada por estímulos eletromiográficos

0
324

O aluno Luís Antônio Baldi Filho, do Curso de Engenharia Mecatrônica da EEP (Escola de Engenharia de Piracicaba), conquistou a quarta colocação no XVIII CONIC (Congresso Nacional de Iniciação Científica) ao desenvolver, em conjunto com os alunos Guilherme Pedro Artuzo Martim e Rauni Botini Liva, uma prótese de antebraço, fisicamente baseada em projeto 3D da InMoov e acionada por estímulos eletromiográficos (EMG).

Realizado pelo SEMESP (Sindicato das Mantenedoras de Ensino Superior), o CONIC é um dos mais tradicionais do país e ocorre desde 2001, período em que 23.738 trabalhos foram apresentados. “Ter nosso aluno inserido no seleto grupo de vencedores devido ao mérito do trabalho científico desenvolvido é, de fato, uma grande honra”, disse o Prof. José Martins Júnior, orientador do projeto.

Segundo ele, o objetivo do CONIC alinha-se à visão da EEP no sentido de identificar talentos, estimular a produção de conteúdo científico e viabilizar na prática os projetos apresentados pelos alunos, por meio do exercício da criatividade e de conhecimentos adquiridos. “O reconhecimento do trabalho é motivo de grande orgulho e reitera a qualidade do ensino e a infraestrutura dos laboratórios, bem como a qualificação de seus funcionários e professores, quase todos mestres e doutores”, disse.

O aluno Luís Antônio Baldi Filho conta que o trabalho teve início em fevereiro e parecia algo distante da realidade. Entretanto, depois de intensas pesquisas e apoio do professor orientador, ele desenvolveu um sistema que utiliza redes neurais para controle da prótese. “Foi um grande desafio, porém um forte estímulo ao engajamento no processo de investigação científica”, disse Baldi, que hoje sente-se muito mais seguro e qualificado para o mercado de trabalho.

O Prof. Anderson Rodrigo Rossi, coordenador do curso de Engenharia Mecatrônica da EEP, destaca que o curso de Engenharia Mecatrônica da EEP oferece formação de qualidade aos seus alunos, permitindo que desenvolvam habilidades e competências importantes para o mercado de trabalho e para a pesquisa científica.

“O estudo em Mecatrônica exige formação em diversas áreas do saber como Mecânica, Elétrica e Computação”, destacou, lembrando que essa visão amplificada habilita o aluno a conceber soluções para problemas complexos, que demandam a integração de partes, métodos e técnicas daquelas áreas. Ele salientou também o inestimável valor social e institucional agregado à EEP em função de sua contribuição científica.

Fonte: Escola de Engenharia de Piracicaba